As crianças passam por diferentes fases até chegar a idade adulta. Conforme se desenvolvem, observamos mudanças no falar, andar e, principalmente, no comportamento de cada uma delas. Embora mudar seja parte essencial da vida, muitas ficam inseguras quando acontece uma das primeiras transições, sendo essa a do berço, para a cama. Esse período requer atenção por parte dos pais, já que algumas crianças se adaptam fácil, enquanto outras possuem dificuldade.

Para nos ajudar a compreender mais sobre essa situação, conversamos com a psicóloga e psicopedagoga Lilian Gomes, que oferece sua opinião profissional sobre o tema:

1) Há alguma idade específica para as mães mudarem as crianças do berço para a cama, ou isso depende de uma para a outra?

Não existe uma idade específica para essa transição e, como em todo processo educativo vale sempre o bom senso. Entretanto, costumamos indicar após os 2 anos, porque com essa idade a criança já tem firmeza no andar, está um pouco independente e consegue comunicar-se através da fala.

2) É importante os pais conversarem com os filhos sobre essa transição? Se sim, por quê?

É fundamental a criança ser preparada para essa mudança e participar dela como uma conquista, opinando sobre a escolha da cama e adereços. Na medida que os pais valorizam o crescer e o desenvolvimento do filho, este se sentirá reconhecido e incentivado a continuar.

3) Se a criança já atingir uma idade um pouco maior e não quiser que a mudança ocorra, como os pais devem reagir?

Provavelmente essa conduta se deva ao fato da criança perceber a dificuldade dos pais em lidar com a questão de que o filho deixou de ser um bebê, e, portanto, ela sentirá essa ambivalência e responderá recusando-se ao desenvolvimento. Portanto, a postura de segurança dos pais será fundamental para que a criança, sentindo-se confiante, reconheça essa fase como positiva.

4) Ter um brinquedo especial na hora de dormir ajuda nessa transição?

Chamamos de Objeto Transicional aquele objeto (bichinho, fraldinha, ou outro qualquer) que a criança elege para acalmá-la quando longe da mãe. Assim, neste momento novo que vivenciará, pode ser de grande ajuda contar com este recurso também, caso queira.

5) Por que muitas vezes as crianças ficam inseguras em relação a mudança? Seria medo do novo e desconhecido?

Medo do novo faz parte do ser humano em qualquer etapa de mudança da vida, seja em que idade for. Sabendo disso, os pais irão preparar-se, bem como a seu filho, para não caírem em tentação de num primeiro sinal de dificuldade na adaptação, voltarem a criança para o berço. O importante é NÃO voltarem atrás. A criança logo acostumará se sentir firmeza, atenção e compreensão dos pais.

Ofereçam-se para fazerem companhia até ela dormir nos primeiros dias. Mas, sempre no quarto e na cama dela. Ajudar o filho a enfrentar seus medos de forma gradativa, faz parte do processo educativo. Desse modo, ele irá sentir-se capaz, instrumentalizado para as diversas situações que enfrentará na vida.

6) Quais as principais características que os pais precisam ter nesse momento?

Segurança que estão tomando a decisão certa e paciência para fazê-la cumprir. A criança sente a fragilidade dos pais; caso isso aconteça ela irá afrontá-los até sentir-se vencedora. No entanto essa vitória a deixará muito insegura porque no fundo sabe que é pequena e não dá conta de arcar com as próprias escolhas, e pior, sente que os pais não são fortes o suficiente para ancorá-la. Por isso, os limites estabelecidos pelos pais não podem ser revogados, e sim cumpridos. Não estou sugerindo rispidez, ao contrário, mas uma mão forte e carinhosa dos pais que transmita segurança aos filhos.

Lilian De Almeida Gomes é psicóloga formada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), atua com atendimentos particulares e também como psicopedagoga.

—> Leia mais artigos sobre o universo infantil em nosso blog

—> Artigos infantis e produtos para bebês

Escrito por: Maria Luísa Bergamasco

Jornalista. Acredita que através da informação e do conhecimento, famílias podem trocar experiências e expandir suas ideias. Adora ouvir histórias, comer petiscos e sentar em botecos.

Seja o primeiro a comentar esse post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar