Não tem como falar de Star Wars, e não falar do seu enorme volume de material lançado sobre o grande Universo Expandido, que engloba a série original, e que foi claramente descartado pela Disney depois da aquisição da Lucasfilm. Assim, todo material lançado do Universo Expandido Star Wars é considerado uma lenda. Essas histórias muitas vezes têm versões contraditórias do universo de Star Wars. Isso porque nos anos que antecederam a compra pela Disney, muitos escritores e artistas trabalhavam sem supervisão de seus materiais. Assim, se tornava impossível manter um cânone coeso sem as devidas revisões. Dessa forma, a Disney criou um departamento para supervisionar todas essas histórias do Universo Expandido, chamado Lucasfilm Story Group, que foi fundado por Kathleen Kennedy a presidente da Lucasfilm. Uma equipe de artistas escolhidos entre os melhores também foi contratada para a criação de novas histórias, costurando-se em uma na cronologia que faça sentido. Cronologia galáctica O calendário galáctico do Star Wars é contado pela Batalha de Yavin, que pôs fim a primeira Estrela da Morte, e proporcionou uma esperança a galáxia. Sendo as datas marcadas com antes da Batalha de Yavin (antes da Batalha de Yavin) ou depois (depois da Batalha de Yavin). Passado Remoto 100 mil anos antes da Batalha de Yavin O sistema planetário corelliano é criado pelos Celestiais através de projetos avançados de autoconstrução. Enquanto as raças humanas estão em um estágio primitivo em seu planeta...
O início de tudo O sucesso de Star Wars só se deve a capacidade de George Lucas de acreditar em um gênero que estava em baixa na época, a ficção cientifica. Filmes de guerra para crianças, não eram o que os grandes executivos que Hollywood procuravam. Desse modo, a Warner e a Universal negaram de primeira. A 20th Century Fox teria feito o mesmo, mas a intervenção do chefe de recursos criativos da empresa, Alan Ladd Jr, permitiu o sonho de George Lucas ir adiante. Mas nem tudo foi fácil. O primeiro esboço do roteiro de Star Wars levou nove meses para ser escrito. Isso porque Lucas tinha muitos eventos para ir, devido ao sucesso de American Graffiti (Loucuras de verão), um filme adolescente que teve uma das melhores críticas da época. Muito diferente do seu filme anterior, George Lucas desejava introduzir em seu enredo muita ficção cientifica. Isso envolvia uma galáxia repleta de perigos, naves que viajavam na velocidade da luz, e espadas, que mais tarde se chamariam sabres de luz. Nessa história cheia de apelação humana,  havia também um jovem herói, um vilão muito mal, duelos de espadas e uma princesa bonita, além de alienígenas muito bem imaginados. Tudo isso em apenas um roteiro, que por fim, acabaria por se tornar toda a Trilogia Star Wars original. Percebendo que seria impossível uma história com esse enredo em apenas um filme, voltou ao trabalho. Na sequência, retalhou três roteiros distintos para uma sequência que ele acreditava que iria acontecer. George Lucas quer...
Projeto Vingadores: Hulk – O Destruidor Além de ser um dos fundadores dos Os Vingadores, Hulk também é conhecido por ser o alter-ego raivoso do Dr. Robert Bruce Banner. Entretanto, ele é muito mais do que isso. É um herói que conquistou a todos com seu modo de resolver as situações. Destruindo tudo por onde passa, ao mesmo tempo em que consegue vencer qualquer inimigo que possa tentar dominar a Terra. Criado por Stan Lee e o desenhista Jack Kirby, o gigante verde teve sua primeira aparição em 1962, na revista O Incrível Hulk #1. Desde então, se tornou um ícone para cultura pop , aparecendo em revistas, e nos mais diversos produtos colecionáveis. Origem Bruce Banner era filho do Dr. Brian Banner, um louco e alcoólatra cientista atômico, que matou a mãe de Bruce e sua esposa, Rebecca, por odiar o amor que ela nutria pelo filho. Toda essa loucura se devia ao fato que durante os anos que trabalhou com radiação, seu DNA teria sido alterado, o fazendo gerar um filho mutante. Essa insanidade o levou ao limite, que é o trágico assassinato de Rebecca, e posteriormente, ao seu internamento em um hospital psiquiátrico. Consequentemente, Bruce cresceu em um estado de dor e raiva extrema, e foi criado por sua tia, a Senhora Drake. Passou por momentos difíceis até ser contratado pelo Departamento de Defesa dos EUA, devido a sua inteligência em física nuclear. Durante esse período, ele conheceu o seu grande amor Betty, filha do General Ross um oficial da Força Aérea, e supervision...
Projeto Vingadores: Homem de Ferro – Um herói humano Criado para ser odiado, Tony Stark (Homem de Ferro) caiu no gosto das pessoas assim que foi lançado. Capaz de criar uma armadura com alta tecnologia, enfrentar os mais diversos vilões, e de personalidade sarcástica e egocêntrica, ele tira qualquer um do sério. Depois de ter criado uns dos personagens mais marcantes da Marvel Comics, Stan Lee se fixou como gênio dos quadrinhos. A primeira aparição do Homem de  Ferro foi na revista Tales of Suspense #39. Com o roteiro de Larry Lieber e o desenhos de Jack Kirby e Don Heck a revista teve boa aceitação. Homem de Ferro: a origem Internado ainda muito cedo, Tony sempre teve problemas com Howard, sendo ele o responsável pelos seus problemas alcoólicos futuros. Nessa mesma época de convivência com outras pessoas no internato, logo percebemos que Tony era um menino prodígio. Fator que foi muito útil no ramo da família, que investia na fabricação de armas para a guerra. Desde cedo Howard ensinou a Tony o preço da guerra. Também o ensinou sobre o dever que sua família tinha em servir o exército. Ainda com 15 anos, Tony se formou em física e engenharia elétrica. Recebendo assim, o grau de mestre em ambos os ramos de estudo. Tony conheceu também Bruce Banner, um jovem gênio que ocasionou uma disputa entre dois para saber quem era o melhor. Quando tinha 21 anos, a morte dos pais em um acidente de carro o fez largar a vida de playboy intelectual. Tony transformou as Industrias Stark em...
Capitão América: Um super-herói patriota Como se estivesse pressentindo a entrada dos E.U.A na guerra, Capitão América surgiu em uma revista Captain America Comics #1. Um ano antes da entrada dos E.U.A na Segunda Guerra Mundial. Criado por Joe Simon e Jack Kirby, o personagem teve um herói que o antecedeu, conhecido como “O Escudo”. A fim de evitar o plagio, o Capitão América que conhecemos hoje teve que sofrer várias alterações. Inclusive, sobre seu escudo ser redondo e tornar uma arma de arremesso. Assim, Capitão América conseguiu capturar o sentimento antinazista durante a Guerra. Com isso adquiriu muitos fãs, jovens e adultos, que ficavam ansiosos para ler suas aventuras contra super-vilões nazistas. Entretanto, com fim da Guerra as vendas de revistas caíram drasticamente e ele entrou na obscuridade até 1963. Stan Lee renovou o personagem, introduzindo-o em Strange Tales #114 e, posteriormente, em The Avengers #4, como um patriota deslocado de sua época e ainda participando de uma equipe totalmente fora do padrão. Após seu retorno, Capitão América foi muito usado como um espelho da sociedade, a quem se usa como objeto de persuasão, moldando as pessoas segundo seus ideais. E era justamente isso que a Marvel buscava com Sentinela da Liberdade, como também era conhecido. Ele era corajoso, honesto e inteligente, era um espelho para as virtudes que os cidadãos americanos acreditavam. Suas histórias sempre tiveram como base momentos culturalmente controversos na...
Fechar