Diversão é um direito

Toda criança tem o direito de brincar. É através dessa atividade que adquirimos incríveis lembranças de tempos onde a inoscência era grande e a vida era, sem dúvidas, muito mais leve. São nos momentos de diversão que meninos e meninas aprendem e se desenvolvem. Para explicar mais sobre a importância desse tema, a psicóloga Rafaela Dallaqua vem nos esclarecer algumas questões sobre esse universo.

A importância do brincar

 “É ao brincar que as crianças ultrapassam a realidade, transformando-a através da imaginação. É também dessa maneira que muitas expressam o que não conseguem dizer através das palavras, inclusive, seus conflitos internos. Ao brincar, os pequenos vão aumentando sua autonomia, assim como entendem sobre regras e tomada de decisões”, explica a profissional.

Primeira Infância (0 a 5 anos)

Nessa fase as crianças estão descobrindo o mundo ao seu redor, e ainda precisam de atenção a todo tempo, já que estão em processo de evolução em relação ao andar, falar e compreender linguagens corporais e verbais. Rafaela comenta que o brincar é importante tanto nos aspectos físicos, como social, cultural, afetivo, emotivo e cognitivo. Ou seja, é uma das melhores formas de entendimento para os bebês. “Os brinquedos educativos são de extrema importância, pois eles ajudam no desenvolvimento da psicomotricidade. Um autor muito conhecido na área  da psicologia e pedagogia (Barreto), explica que o desenvolvimento psicomotor são essenciais na prevenção de problemas de aprendizagem.”

Da infância a pré-adolescência (6 a 12 anos)

Encontramos comportamentos semelhantes em muitas crianças, embora todas elas possuam características diferentes. Porém, a partir dos 6 anos elas começam a entender jogos mais complexos e se tornar cada vez mais competitivas, além de argumentar frequentemente com os pais. Por isso, a psicóloga destaca que é importante os pais conversarem com os filhos sobre ganhar ou perder, pois o perder na infância é uma preparação para as frustrações que ela terá ao longo da vida. “É onde a criança entende que nem tudo pode ser da maneira que ela deseja, e quem nem sempre ganhamos. Quando algum mal comportamento é reforçado, a criança desenvolve baixa tolerância, problema que irá atrapalhar futuramente, inclusive na pré adolescência.”

Brincar com alguém é muito melhor

Todos nós possuímos recordações de brincadeiras que realizamos ao lado dos irmãos ou amigos. A comunicação é parte natural do processo socialização e, por consequência, brincar com alguém é sempre muito melhor. “Ao se unir com outra criança para brincar, meninos e meninas aprendem a dividir. Quando essa prática ocorre com os pais, é um meio de formar vínculo e diálogo entre as duas partes, um modo de participação na vida dos filhos. Os adultos também podem soltar a imaginação e desestressar, enquanto para criança é também um ensaio para o mundo.”

Observe o comportamento da criança, veja como age no dia a dia, com o que ela prefere se divertir e o que absorve de cada brincadeira. Aproveite e, depois de ler esse texto, procure um tempinho para passar deliciosos momentos com seu filho, afinal, “brincar com crianças não é perder tempo, é ganha-lo […]” (Carlos Drummond de Andrade).

Rafaela Dallaqua é psicóloga formada pela Universidade do Sagrado Coração e atua diariamente com o público infantil.

—> Leia outros artigos sobre o universo infantil aqui em nosso blog

Escrito por: Maria Luísa Bergamasco

Jornalista. Acredita que através da informação e do conhecimento, famílias podem trocar experiências e expandir suas ideias. Adora ouvir histórias, comer petiscos e sentar em botecos.

Seja o primeiro a comentar esse post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar